Memória

Imagem

Já nem me lembro quanto tempo faz daqueles nossos domingos tão preenchidos de solidão. E a nossa solidão compartilhada era o espaço das nossas invenções, quintal de rebeldia, fantasia, música e um tanto mais de coisas imensuráveis que me permanecem. Lembro de tua voz doce sempre em tom rude falando dos outros, da vida, de mim. Lembro do veludo com o qual enfeitava a voz quando inesperadamente você mansa chegava lamentando em melodia que Marina morena se pintou. Eu mudo, todo ouvidos, todo olhos, inteiro a você e aos teus sons, despretensioso de futuros. Lembro dos silêncios interrompidos pelo riso debochado de coisa qualquer, dos sonos trocados pelo nosso assunto interminável e das horas esquecidas por nós. Vidas inteiras…

O poema que te roubei amarelou dentro de uma enciclopédia esquecida na estante e aquele desenho que fez para mim só achei na mudança para a casa nova. O trevo de quatro folhas está dentro da carteira que já não é a mesma e eu ainda não aprendi a tocar violão, mas guardo a pasta de músicas com nossos rocks preferidos. Queria te ligar no carnaval para falar que estava tocando Camila no meio de músicas baianas sem sentido. Nenhum de Nós, você lembra? Revi os nossos conhecidos no mesmo dia, falamos de uma década atrás, de você e de nós, dos CDs e daquela praça. O acaso te revive em mim.

Não escrevemos em muro nem marcamos nossa vida em tronco de árvore, mas foi difícil ensinar aos outros que teus pés não mais trilhariam meus caminhos, até hoje confundem nossos passos. O Tempo que antes era invisível e indolor é hoje o que nos opõe. Já nem me lembro quanto tempo faz… Eu quase não soube ser sozinho.

Anúncios
Padrão

6 comentários sobre “Memória

  1. Escrevi e apaguei uns quatro comentários que elaborei, porque nenhum deles me parecia fiel aos sentimentos que ler esse texto despertou em mim. Mas é como se meu coração tivesse borbulhado de vivências passadas: as sutis, as quais se lastima a perda e muitas vezes, se deseja ter igual. O texto é lindo e você, quando mais extenso, é ainda mais envolvente.

    Beijo!

  2. Luiza disse:

    Ai que eu tava com saudade danada de te ler!
    Aí eu chego e tem um texto grande (quase um milagre) talvez sobre lembranças, ou saudade.

    E eu lembrei de Ludov- É só saudade.

    Engraçado isso de lembrar sem dor e com carinho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s