Casualidade sentimental

Era março, não rabisquei data em papel, mas era março eu sei. Foi então que alguma coisa foi mudando, uma nova coisa em mim não nascendo, mas fazendo morada, já ali pronta e grande para me dominar. Eu descobri que podia, e a descoberta me revirou. Testei mil vezes minha capacidade de poder, me vislumbrava e me perdia em cada posse, sem querer entender e nem pensar demais. A despretensão como o meu nirvana, deixava um pouco de mim em cada madrugada e colecionava em mim gostos despretensiosos, sem vazio nem mácula, me deleitava com afeto descompromissado…

Anúncios
Padrão

4 comentários sobre “Casualidade sentimental

  1. Que discurso é esse aí?! E a galera comentando também… Olha! Vocês estão muito liberais! Despretensão? É assim que chamam agora? hahaha

    Brincadeiras a parte o texto já valeu por falar de Março, mês mais bonito do ano. Essa texto, pelo o que eu conheço do autor, trata-se de um retrato mesmo, acredito que já deve até ter um tempo (eu me achando íntimo do autor, como aqueles que falam da Clarice Lispector como se ela fosse a amiga do facebook que manda msg todo dia).

    Grande bejo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s