Oblíqua


Tens um ar de quem fala sempre menos do que queria falar, uma hesitação pairando no ar como reticências em fins de frases que revelam segredos de si mesmo. Um medo, uma angústia, uma vontade de ser outra coisa, de achar algo maior, como Dulce Veiga que partiu pra sempre antes de brilhar seu brilho mais intenso. Quando conversa, solta enigmas, metades, intenções, linhas tortas. É um convite, um desafio que faz a quem ouve, como esfinge misteriosa e provocativa: decifra-me e devora-me.

Anúncios
Padrão

4 comentários sobre “Oblíqua

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s