O Livramento

Estive perdido na loucura de querer te ferir, pois foi somente pela mágoa que eu encontrei de alguma maneira de alcançar. E na minha loucura eu previ o teu desespero por conta da minha distância, vi feridas se rasgando a cada palavra dura, percebia você se retraindo a cada atitude ríspida. Eu quis tanto alguma vingança, eu me dissimulei, saí de mim. Eu queria era te alcançar, e da maneira que fosse! E te atingi com a frieza, te ignorei com sarcasmo e senti um sorriso amargo se formar em minha face quando me disse não mais agüentar. Senti alívio. E foda-se qualquer julgamento, mesmo que eu tenha sido amoral, eu te alcancei. Eu só precisava me libertar daquele amor mal abortado que me sufocava dilacerava a cada dia. Eu me desprendi. Desapeguei. Eu previ tudo muito bem. E era aqui onde eu queria chegar: ver-te crua, despida das suas máscaras e dos seus falsos encantos. Bem pequena. E a garotinha mimada reclama da vida, se faz de vítima, pede carinho ao anoitecer e sorri docemente num teatro completamente desacreditado: não me comove mais, não me atinge, já não me arrepias… Estou imune.

Anúncios
Padrão

3 comentários sobre “O Livramento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s